Polícia

Capitão Guimarães é preso em Niterói

Capitão Guimarães | Foto: Reprodução

O Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (GAECO/MPRJ) e a Polícia Federal deflagraram, nesta quarta-feira (07/12), a operação Sicários. O objetivo é prender agentes denunciados por homicídio ocorrido em 1° de julho de 2020, num posto de gasolina, em São Gonçalo. A investigação indica que o crime tem características de execução sumária.

O contraventor Aílton Guimarães Jorge, conhecido como Capitão Guimarães, foi preso nesta operação, em uma casa em Camboinhas, Região Oceânica de Niterói. Ele é um dos principais contraventores do Rio e é suspeito de ser o mandante do assassinato do pastor Fábio Aguiar Sardinha, de 41 anos, morto em frente ao pai em um posto de gasolina em julho de 2020, no Colubandê, em São Gonçalo. A suspeita é que o pastor tenha desviado dinheiro da quadrilha do Capitão Guimarães. Durante a prisão na manhã desta quarta, os agentes encontraram um fuzil na casa do Capitão Guimarães. (Foto abaixo)

Arma encontrada no momento da prisão | Divulgação Polícia Federal.

Além das três ordens de prisão, também estão sendo cumpridas 17 de busca e apreensão em endereços vinculados aos denunciados e a pessoas que permanecem sendo investigadas.

Dois denunciados e todos os demais alvos das medidas cautelares cumpridas hoje são integrantes e ex-integrantes das forças policiais estaduais e são suspeitos de atuarem em organização criminosa que monopoliza a exploração do jogo do bicho, máquinas caça-níqueis e outras apostas, nos municípios de Niterói, São Gonçalo e outros da região metropolitana.

A investigação também contou com diligências cumpridas pela Polícia Civil. Mais de 100 policiais federais, do Rio de Janeiro e de Brasília, e agentes do GAECO/MPRJ participam da operação. SICÁRIO, no dicionário da língua portuguesa, significa matador de aluguel ou quem é contratado para matar alguém.

To Top