Cidade

VÍDEO: Músico de Niterói desabafa após ser novamente detido por crime que não cometeu

Em vídeo abaixo Justino conta em detalhes o que passou nesta semana.

O músico da Orquestra da Grota de Niterói, Luiz Carlos Justino, 26 anos, que foi inocentado pela Justiça do Rio depois de ter sido preso em setembro de 2020 por um assalto à mão armada que não cometeu, voltou a ser detido pela polícia pela mesma situação. Em 2020, Justino chegou a ficar preso por cinco dias. (Vídeo abaixo)

O caso que novamente aconteceu foi na noite desta segunda-feira (22). Após voltar de uma partida de futebol com amigos em Charitas, Justino foi parado em uma blitz da Operação Segurança Presente em Niterói.

 

A operação realizou uma consulta ao sistema do Banco Nacional de Monitoramento de Prisões, do Conselho Nacional de Justiça, que apontou um mandado de prisão em aberto para o músico ainda sobre o caso no qual ele foi inocentado em junho de 2021. Luiz Carlos Justino foi conduzido para a 79ª DP (Jurujuba) e depois foi liberado.

O músico de Niterói disse que teve que provar novamente que não era bandido e que na época que foi absolvido tudo seria retirado do sistema. Ele conta que chegou a ser parado outras vezes, mas pela grande repercussão do caso, era sempre liberado. Em vídeo abaixo Justino conta em detalhes o que passou nesta semana.

 

Advogado pede retirada do mandado do sistema

Na tarde de terça (23), o advogado de Justino entrou com um pedido na 2ª Vara Criminal de Niterói para a retirada do mandado de prisão do sistema e a Justiça concedeu parecer favorável ao pedido. Após o novo constrangimento, o mandado de 2017 já não aparece mais no sistema do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Segurança Presente

A Operação Segurança Presente confirmou a blitz e a consulta ao sistema em que aparecia o mandado de prisão de Justino. O Segurança Presente afirmou ainda que Luiz Carlos foi ouvido pela delegacia e que, ao verificar o banco da Polícia Civil, foi constatado que o mandado já havia sido removido. A Operação Segurança Presente destacou que o sistema nacional que foi consultado é atualizado a partir de informações de vários órgãos judiciários do país.

Orquestra da Grota

O Espaço Cultural da Grota divulgou uma nota se solidarizando com Justino, “O Espaço Cultural da Grota se solidariza com o violoncelista Luiz Carlos Justino, músico profissional da Orquestra da Grota que, mais uma vez, foi arbitrariamente conduzido a uma delegacia de polícia após uma abordagem policial e impedido de se comunicar com o meio externo enquanto esteve sob custódia.

Justino já havia sido vítima desse mesmo tipo de ação em 2020, após ser erroneamente reconhecido como assaltante por uma fotografia sua que constava de um livro de reconhecimento mantido pela Polícia Civil, sem que ele jamais tivesse se envolvido em qualquer tipo de ocorrência. Essa aberração da Justiça o fez passar cinco dias preso e o obrigou a aguardar por nove meses até que fosse absolvido sumariamente, num caso que teve ampla repercussão nacional.

Mesmo após toda essa situação, no dia de ontem, Justino foi mais uma vez vítima dessa mesma prática, enquanto voltava de um jogo de futebol com outros músicos da Grota.

Já estamos em contato com os advogados e oferecendo ao nosso querido Luiz todo o suporte necessário. Vamos até o fim na apuração desse caso, para que uma atrocidade dessas não se repita.
Neste momento, Luiz está em casa, sendo amparado pela família e os amigos, se recuperando, mais uma vez, de uma grande injustiça.”

Relembre o caso

O músico da Orquestra da Grota, de Niterói, Luiz Carlos Justino, foi preso em setembro de 2020 em uma blitz no centro de Niterói após ser acusado de um assalto à mão armada em 2017. De acordo com a polícia existia um mandado de prisão em aberto contra o músico, que chegou a ficar cinco dias detido.

Ficou provado que ele foi erroneamente reconhecido como assaltante por uma fotografia sua que constava em um livro de reconhecimento, sem que ele jamais tivesse se envolvido em qualquer tipo de ocorrência. Justino contou que no momento da abordagem policial ele estava com parte da Orquestra de Cordas da Grota nas barcas.

Em junho de 2021, o músico de Niterói preso por engano foi absolvido pela Justiça. Injustamente preso em setembro de 2020 em uma abordagem policial, o violoncelista Luiz Carlos Justino, integrante da Orquestra de Cordas da Grota, foi absolvido de uma acusação de roubo pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Niterói.

Justino é absolvido pela Justiça em Junho de 2021 | Foto: Arquivo

Em apoio à Luiz Carlos, um grupo de 12 músicos que tocam também na orquestra se apresentaram na calçada do Fórum de Niterói, antes do julgamento. Luiz Carlos Justino chegou a ficar cinco dias preso e precisou fazer terapia para tentar superar o trauma.

To Top