Saúde

Trombose: médico de Niterói lembra que estilo de vida influencia na prevenção da doença

Arquivo | Hospital Icaraí

No dia 16 de setembro, foi comemorado o Dia Nacional de Combate e Prevenção à Trombose, doença que acontece quando há a formação de um coágulo no sangue (trombo) que obstrui ou dificulta a circulação de um vaso sanguíneo.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, a trombose atinge 60 pessoas para cada 100 mil habitantes por ano. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), é fundamental focar em medidas para a redução da trombose, bem como no esclarecimento à população das suas causas e, principalmente, à sua prevenção.

Algumas vezes a doença pode ser assintomática, porém em sua maioria, os sintomas mais comuns e que precisam de uma atenção especial geralmente são dor, inchaço e cianose (coloração azulada do membro).

Segundo o Dr. Leandro Loures, Cirurgião Vascular e Endovascular do Hospital Icaraí, em Niterói, alguns fatores de risco estão relacionados ao aparecimento de uma trombose. São eles: sedentarismo ou imobilidade, idade avançada, algumas doenças genéticas como a trombofilia, cirurgias ortopédicas e ginecológicas, câncer em atividade, infecções graves, uso de hormônios anticoncepcionais ou esteróides e o tabagismo.

Dr. Loures lembra que as medidas de redução da doença estão diretamente relacionadas à prática de bons hábitos de vida como: atividade física regular, uma boa hidratação, alimentação saudável e evitar o tabaco. Diante de qualquer desses sintomas, deve se comparecer à emergência hospitalar ou ir ao consultório do Angiologista, médico responsável pelo diagnóstico e tratamento da trombose.

O médico ainda lembra que o diagnóstico é feito através de exame físico, complementado por exame de imagem. (Ecodoppler). Em sua grande maioria, o tratamento consiste em uso de anticoagulantes e meias elásticas. A cirurgia raramente é necessária, estando reservada apenas para alguns casos graves de tromboses muito extensas.

To Top