Cidade

Itacoatiara Big Wave Niterói é exemplo para o país

Surfistas de ondas grandes plantaram 100 mudas de restinga na área do Projeto de Restauração Ecológica e Inclusão Social para compensar emissões da competição | Foto: Lucas Benevides

O Itacoatiara Big Wave (IBW), competição de surfe de ondas grandes realizada na Praia de Itacoatiara, Região Oceânica de Niterói, até o dia 31 de agosto, tornou-se nesta quinta-feira (18) o primeiro evento neutro em carbono de Niterói. A conquista aconteceu graças ao plantio de 100 mudas nativas dentro da área do Projeto de Restauração Ecológica e Inclusão Social, desenvolvido pela Secretaria de Meio Ambiente de Niterói na restinga da praia da Região Oceânica.

Foto: Lucas Benevides

Três surfistas que estão competindo no IBW participaram da ação. Foram plantadas mudas de aroeira, ora-pro-nobis, quixabeira, pitanga, feijão de boi, entre outras espécies. A atividade, que também contou com a presença dos voluntários que atuam no projeto, foi uma parceria entre a organização do evento e as secretarias municipais de Meio Ambiente e do Clima.

“Estamos realizando um trabalho com diversas frentes em Niterói, de forma gradativa e em toda a cidade, com o objetivo de envolver todo cidadão no debate e na realização de ações concretas de redução de emissões de gases de efeito estufa. Vários projetos estão sendo estruturados e esse trabalho de hoje é emblemático, em uma região importante e em área de preservação da cidade”, disse Luciano Paez, secretário municipal do Clima .

Daniel Rodrigues, 32 anos, aprendeu a surfar nas ondas de Itacoatiara e hoje é um dos nomes de destaque na categoria de ondas grandes, estando entre os atletas mais bem posicionados no IBW. Ele já rodou o mundo surfando, mas é aqui que considera sua casa e se sentiu honrado em participar da ação de plantio. “Viajei por muitos países, mas amo esse lugar e acabei voltando para morar em Niterói. Para mim é muito importante participar deste evento em prol da preservação da nossa praia para deixar como exemplo para as próximas gerações de que aqui em Itacoatiara a gente surfa, mas também preserva, a gente cuida porque amamos esse lugar. Vou estar sempre aqui com outros surfistas também para reduzir o lixo na praia e diminuir a poluição sonora. Queremos que todos vejam a relação dos surfistas com a natureza. Como estamos sempre no mar, temos que dar o exemplo”, afirmou Daniel.

Kalani Lattanzi, 28 anos, apesar de ter nascido no Havaí, veio morar em Niterói ainda criança e foi no canal de Itaipu que aprendeu a surfar. Depois que deixou de ser iniciante, na Praia de Itacoatiara o surfista iniciou sua carreira. Para ele, plantar mudas na restinga foi um grande prazer. “É muito gratificante poder contribuir para a preservação da natureza no nosso quintal, nosso parque de diversões. É uma alegria e estou muito honrado de estar ao lado dessa galera do bem para cuidar da restinga”, disse.

O caçula do trio de surfistas que participou do plantio foi Guilherme Hilel, 21 anos. Morador de Macaé, ele veio para Niterói para competir no IBW. “Vim para Niterói para estar presente durante toda a janela, nos treinos e nos dias de competição. É um prazer participar do plantio. Como surfistas estamos sempre à mercê da natureza, então ajudar é muito gratificante e nosso dever. Essa atividade na restinga é o exemplo de que o Itacoatiara Big Wave é muito mais do que um campeonato de surf porque mostra que estamos preocupados realmente em compensar as emissões de carbono do evento”, afirmou.

O plantio das mudas feito pelos surfistas com a ajuda dos voluntários se concentrou em três áreas da restinga. Para o subsecretário de Sustentabilidade da Secretaria de Meio Ambiente de Niterói, Allan Cruz, as parcerias são sempre bem-vindas no Projeto de Restauração Ecológica e Inclusão Social. “As atividades de plantio na restinga de forma conjunta são uma forma especial de conscientizar a sociedade sobre a importância da preservação dessas espécies. Essas parcerias contribuem com o nosso trabalho. Fomos procurados pela organização da competição, que considerou importante fazer o plantio de mudas com a participação dos atletas, e nós abraçamos a iniciativa”, explicou Cruz.

Alexey Wanick, organizador do Itacoatiara Big Wave, exaltou a parceria com a Prefeitura de Niterói. “Decidimos fazer o plantio de mudas de vegetação nativa como forma de compensação ambiental das emissões de carbono da competição. A parceria com as secretarias do Meio Ambiente e do Clima foram importantes para alcançarmos este objetivo”, afirmou Wanick.

Restauração

O projeto de Restauração Ecológica e Inclusão Social é desenvolvido com investimento de R$ 2,9 milhões, financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Tem como meta recuperar um total de 203,1 hectares de áreas essenciais para os ecossistemas em torno da Mata Atlântica no município.

Está em execução nas restingas de Camboinhas e Itacoatiara. Também vai reflorestar com espécies nativas as ilhas Pai, Mãe e Menina, localizadas a cerca de 2 quilômetros da Praia de Itaipu e que integram o Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset), além do entorno da Lagoa de Itaipu e manguezais.

Paralelamente à restauração das restingas, o projeto também contempla o reflorestamento do entorno e vales centrais do Parque da Cidade, sede do Parque Natural Municipal de Niterói (Parnit), com o lançamento de sementes de palmeira juçara e plantio de mudas da espécie.

To Top