Polícia

Homem é morto durante parada LGBTQIA+ em Niterói

Reprodução | Vídeos abaixo

O jovem Luiz Henrique Lima, de 22 anos, morreu neste domingo (7) após ser esfaqueado durante a 16ª Parada do Orgulho LGBTQIA+ de Niterói, na Praia de Icaraí, Zona Sul da cidade. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) fez o atendimento da vítima no local, que apresentava ferimento de arma branca durante o evento neste domingo. Após os primeiros atendimentos, Luiz foi encaminhado ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal). Luiz Henrique infelizmente veio a óbito na unidade médica que confirmou a morte na manhã desta segunda-feira (8). O jovem era morador de Trindade, em São Gonçalo. (Vídeos abaixo mostram o volume de pessoas que participaram do evento)

O autor do crime já foi identificado por agentes da Delegacia do Fonseca (78ª DP) e o inquérito fica sob responsabilidade da Divisão de Homicídio de Niterói e São Gonçalo (DHNSG). O evento tinha segurança particular e a presença da Polícia Militar em toda a região do evento. A Polícia Militar atuou com um policiamento específico para o evento e contou com apoio do Batalhão de Rondas Especiais e Controle de Multidão (RECOM) e da Guarda Municipal de Niterói. A Secretaria Municipal de Direitos Humanos (SMDH) de Niterói acompanha o caso.

A organização do evento informou que cerca de 50 mil pessoas participaram do evento “Cabe ressaltar que havia um contingente policial muito pequeno e insuficiente do ponto de vista da organização para as cerca de 50 mil pessoas que recebemos durante o período da concentração até a dispersão. Seguiremos cobrando respostas e fortalecendo nossa comunidade.” ressaltou.

Uma internauta comentou nas redes e afirmou que viu tudo acontecer “Vi acontecer tudo nos meus pés. Foi a coisa mais agonizantes que já vi. Não poder ajudar alguém que estava lutando conosco.”

Outro internauta comentou, “Uma festa linda e bem organizada pra mostrar q somos mais fortes unidos e acontece um fato lamentável como esse. Onde estavam os órgãos de segurança nesse momento? Será q realmente foi um contingente suficiente pra quantidade de participantes? Parabéns gdn pelo suporte dado a família da vítima.”

Este outro usuário do Instagram relatou, “Quando os carros pararam o som e aos gritos contra o Bolsonaro me juntei, um sujeito que não quis se identificar me abordou fazendo questionamentos sobre um outro candidato ao qual não me posicionei nem contra nem a favor. Se eu não soubesse me comportar diante aquela situação era capaz de ser mais uma fatalidade. Não é só uma festa de rua, era o nosso momento, de nós mobilizar politicamente a público, de gritar nossas demandas. Não aceito que cis hetero transforme nosso movimento de luta em uma festa banal.”

Em mais um comentário, outro relato, “Minha Estou aqui para prestar toda minha solidariedade ao grupo GDN e aos familiares da vítima. Estive ontem no evento e percebi a seriedade e responsabilidade máxima qto a segurança da Parada LGBTI de Niterói. Muitas viaturas policiais e Guardas municipais a todo tempo fazendo um belo trabalho. Infelizmente não esperávamos este incidente, então deixo aqui meus sentimentos aos amigos e familiares.”

O Grupo Diversidade Niteroi (GDN), fundador e organizador da Parada do Orgulho LGBTQIA+, se manifestou sobre o ocorrido por meio de uma nota, confira na íntegra, “O Grupo Diversidade Niteroi (GDN), fundador e organizador da Parada do Orgulho LGBTQIA+ de Niterói há 16 anos, vem a público prestar solidariedade aos familiares e amigos do Luiz Henrique, 21 anos, que após ter sido envolvido em uma discussão e sofrido um grave ferimento por objeto cortante na Parada realizada no dia 7/08/22 não resistiu e veio a óbito.

O que nos deixou muito tristes e preocupadas, visto que nunca ocorreu um caso tão grave em nossa manifestação desde a sua primeira edição. Estamos todes consternadas com o ocorrido. Imediatamente após tomarmos conhecimento do caso paramos o som, interrompemos a Parada e mobilizamos apoio à vítima para que ele fosse removido ao serviço de saúde. Toda equipe organizadora do primeiro trio estava envolvida no atendimento emergencial ao Luiz até a chegada da equipe medica que rapidamente o retirou da área do ocorrido.

O GDN está de luto e iremos mobilizar ainda mais esforços para garantir que a segurança e a proteção dos manifestantes seja cada vez mais efetiva. Temos revisado e amadurecido nossas estratégias nos últimos anos.

A comunidade LGBTQIA+ é reconhecida como pacífica e apaziguadora. Mas, infelizmente, em um evento tão grande vemos a presença de pessoas que não fazem parte de nossa luta que vem a parada com a intenção de manchar todos os esforços que dedicamos para colocar nossos corpos nas ruas.

De posse dos vídeos, iremos encaminhar aos órgãos responsáveis e reafirmamos nosso compromisso em colaborar com as investigações e informações necessárias para identificar o responsável por essa tragédia. Cabe ressaltar que havia um contingente policial muito pequeno e insuficiente do ponto de vista da organização para as cerca de 50 mil pessoas que recebemos durante o período da concentração até a dispersão. Seguiremos cobrando respostas e fortalecendo nossa comunidade.

Em respeito a vítima e sua memória, solicitamos aos órgãos de impressa e mídia que tenham responsabilidade quanto a forma com que as informações serão repassadas, a fim de que não hajam tentativas de manipulações de uma narrativa que pretenda de criminalizar o Luiz ou mesmo a parada do orgulho LGBTQIA+.

E embora seja um caso extremamente triste e altamente preocupante, não se pode afirmar que a parada seja um espaço inseguro para nossa comunidade. Exatamente porque a manifestação LGBTQIA+ de Niterói é publicamente reconhecida como uma das mais seguras do país devido ao número baixo de ocorrências a cada ano.

O GDN está disponível para prestar suporte e apoio a família nesse momento de perda e reafirmamos que seguiremos em luto, na luta. Por Luíz e por todes!

Niteroi, 8 de agosto de 2022.
Grupo Diversidade Niteroi
Fundador e organizador da Parada do Orgulho LGBTQIA+ de Niterói.”



To Top