Prefeitura faz parceria com o Plaza Niterói para atender mulheres em situação de violência - Niterói
Cidade

Prefeitura faz parceria com o Plaza Niterói para atender mulheres em situação de violência

Núcleo de Atendimento à Mulher (Nuam) funciona no Plaza Shopping 

A Coordenadoria de Políticas e Direitos das Mulheres (Codim) da Prefeitura de Niterói, em parceria com o Plaza Shopping Niterói, inaugurou nesta segunda-feira (19), mais um espaço para atender mulheres em situação de vulnerabilidade ou de violência. O Núcleo de Atendimento à Mulher (Nuam) funciona em uma sala no G4, de segunda a sábado, das 12h às 18 horas.

Coordenadora da Codim, Fernanda Sixel assinando o contrato | Fotos: Berg Silva

A coordenadora da Codim, Fernanda Sixel, explicou que o local é um ponto estratégico e permite atender, de forma segura, as mulheres. “A Coordenadoria vem buscando ações em conjunto com o Plaza e conversando para somarmos forças contra o feminicídio em Niterói. O shopping é um local de bastante movimento e de fácil acesso para as mulheres buscarem ajuda”, destaca Fernanda Sixel. “Desde o início do ano, estamos intensificando nosso trabalho de acolhimento à mulher. Recentemente, conquistamos o nosso programa do Hotel de Passagem, que foi aprovado pelo prefeito Axel Grael, e o Auxílio Social, aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores”, ressaltou.

A primeira-dama da cidade, Christa Grael, esteve na abertura da sala e reforçou a importância da iniciativa. “Acho que nós mostramos que se nos unirmos como sociedade, seremos mais fortes. Acompanhamos tantos casos de violência doméstica e, durante o período de pandemia, o problema ficou ainda mais evidente. Precisamos dar um basta. Esse será um espaço muito importante, em um lugar de grande circulação, para ajudar quem precisa. Niterói será novamente exemplo para o País”, enfatizou.

O espaço foi cedido pelo Plaza, sem nenhum custo à Coordenadoria, e contará com uma funcionária da Codim, em regime de escala. “Para nós, do Plaza Niterói, é uma grande conquista ter um espaço dedicado à mulher em parceria com a Codim. Temos a convicção de que se trata de uma agenda prioritária e urgente. Ao lado deles, iniciamos um importante momento de escuta ativa sobre o tema e, agora, iniciamos medidas concretas, para que juntos possamos reforçar os meios de apoio às mulheres”, disse Aline Piubel, gerente de Marketing do Plaza Shopping Niterói.

Fotos: Berg Silva

Além disso, a Codim realizou um treinamento de quatro dias com representantes dos lojistas e das equipes administrativas do shopping para que possam auxiliar no atendimento de forma humanizada e esclarecedora, com o objetivo de romper o ciclo da violência, na adesão do estabelecimento à campanha Sinal Vermelho.

A presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB)Renata Gil, lembrou que Niterói, de forma precursora, foi o primeiro município do país a se engajar na campanha Sinal Vermelho e dar passos largos com uma mudança dessa realidade, indo ao encontro do que a sociedade brasileira espera. “O que nos falta é, exatamente, o que estamos fazendo aqui hoje, esta conversa entre sociedade civil organizada, entre instituições públicas, pessoas que querem praticar o bem, que devem estar voltadas para este combate. Esta é uma questão de segurança pública porque é a primeira causa de acionamento do 190 no Rio de Janeiro, no Distrito Federal e em São Paulo. Não é só uma questão de direitos humanos ou de saúde pública, é uma questão de segurança pública. E Niterói foi o primeiro município do país a se engajar na campanha. Nós, como poder judiciário, estamos atuando com a campanha e interagindo com os equipamentos públicos. A magistratura tem trabalhado pela aprovação de novas leis”, pontuou.

A magistrada afirmou, ainda, que o Brasil é o quinto país do mundo mais violento contra as mulheres. O quinto país que mais comete feminicídios no mundo, ficando atrás de Venezuela, Honduras e Guatemala, países que não cumprem tratados de direitos humanos. “E nós temos a terceira melhor lei do mundo de combate à violência contra a mulher, que é a Lei Maria da Penha. Fui a primeira mulher em 70 anos de história a presidir a Associação dos Magistrados e vi a minha responsabilidade neste tema aumentar também quando tomei conhecimento dos índices de violência aumentando. No ano passado, mesmo com a pandemia, surgiu a campanha Sinal Vermelho, em parceria com as farmácias e, a cada dia, nessa minha jornada, fico mais feliz e mais esperançosa de virarmos essa página no Brasil”, frisou.

O presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj), Felipe Gonçalves, contou que, em 2020, a instituição lançou uma campanha pensada pela diretora de Acompanhamento das Políticas de Atendimento à Mulher e das Varas de Violência Doméstica, Juliana Cardoso. “A Amaerj não apenas apoia essa causa, como também participa dela. Fizemos uma campanha de homens falando para homens agressores. Quando falamos em violência contra a mulher, nós pensamos imediatamente na conversa com as mulheres. Mas precisamos chamar também os homens a esse debate. Não adianta tratarmos a ponta da violência doméstica, sem tratar a causa, que é o agressor”, comentou.

Hotel de Passagem e Auxílio Social 

Niterói será o primeiro município do Estado do Rio de Janeiro a implantar um programa piloto de reserva de vagas em hotéis para abrigar, temporariamente, mulheres em situação de violência. O programa, criado pela Codim, foi aprovado recentemente pelo prefeito Axel Grael. A vaga ficará disponível por um período máximo de 15 dias, assegurando também a cobertura aos dependentes legais e afetivos da beneficiária, que poderão permanecer no hotel, além de manter em sigilo o nome e endereço do local.

Já o programa de Auxílio Social destinará o valor de R$ 1 mil mensais, durante 6 meses e prorrogáveis por mais 6 meses, para as mulheres que estiverem dentro dos requisitos do programa como residir com o agressor e efetuar o Boletim de Ocorrência, além da condição socioeconômica. A prorrogação depende do acompanhamento com a equipe técnica da Codim no nosso Centro Especializado no Atendimento às Mulheres em Situação de Violência (Ceam). Além disso, serão ofertados cursos de formação e capacitação.

To Top