Inaugurada primeira etapa das obras do campus Niterói do IFRJ

Como parte da mais recente fase de expansão do IFRJ, a primeira etapa das obras do campus Niterói foi entregue. A solenidade reuniu o reitor Paulo Assis, pró-reitores, diretores de campi, autoridades do Estado, do município de Niterói, representantes da comunidade local e servidores do Instituto. O evento aconteceu no bairro do Sapê, Pendotiba, Niterói.
Com perspectiva de atender até 1.500 alunos, o campus Niterói tem previsão de começar suas atividades no segundo semestre de 2018. Nessa primeira etapa, foram entregues 56,9% do total da obra, que incluem o módulo educacional composto por dois pavimentos, com 20 salas de aulas, salas administrativas, laboratórios, hall da entrada, biblioteca e auditório. A segunda etapa, que contará com laboratórios especiais, refeitório, quadra e área de convivência, tem previsão para ser entregue em julho.
Com 28 docentes e 16 técnicos-administrativos, o campus oferece cursos ligados aos eixos tecnológicos de Gestão de Negócios; Informação e Comunicação, e Ambiente e Saúde. Dentro desses eixos, já são ofertados cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC); cursos de Extensão; cursos Técnicos Concomitantes/Subsequentes e cursos de Educação à Distância (EAD).
O deputado estadual Waldeck Carneiro falou sobre a emoção de ter ajudado a plantar a semente do projeto e vê-lo florescer. “O que precisamos em nossas comunidades são intervenções de políticas sociais, com perspectivas para nossa juventude com educação, cultura, formação profissional, geração de trabalho e renda. Nisso, o IFRJ tem um papel muito importante”, assegurou. Waldeck reiterou, ainda, a força do movimento estudantil e dos movimentos comunitários.
Já o reitor Paulo Assis lembrou de todo o trabalho realizado até hoje, das dificuldades enfrentadas desde que assumiu o cargo de reitor, como os cortes de verba, mas também falou do empenho de sua gestão em seguir em frente para cumprir a missão do IFRJ, de levar educação pública, gratuita e de qualidade para regiões carentes do Estado. “Cada apoio foi essencial nessa jornada. É através do trabalho da associação de moradores que conseguimos atuar ativamente. Essa não é somente uma instituição de ensino, é também uma instituição de cultura, uma instituição de integração social, e isso é fundamental”, disse. Para ele, o IFRJ tem muito a oferecer e muito a ganhar de Niterói e da comunidade do Sapê. “Ouso dizer que esta é a melhor edificação que o IFRJ possui. Esse projeto maravilhoso é o retrato do que o Instituto vai ser daqui para a frente”, reiterou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *