POLÍTICA: Prefeito de Niterói defende medidas para fomentar crescimento econômico do Rio

Em café da manhã com Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal, em Brasília, Rodrigo Neves sugeriu três medidas urgentes para o estado

POLÍTICA – O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, reuniu-se, na manhã desta quarta-feira, em Brasília, com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, deputados federais e prefeitos do Rio de Janeiro para debater a situação econômico-financeira dos municípios e também do próprio estado do Rio.

Na reunião, que ocorreu na residência oficial do presidente da Câmara, Neves expôs sua preocupação com a situação fluminense e falou sobre o quadro do Rio de Janeiro.
Ele sugeriu ao presidente da Câmara três medidas para a retomada do crescimento econômico do estado e dos municípios: encaminhar ao governo federal um pedido de apoio ao Rio de Janeiro, independentemente do plano de recuperação  fiscal que tramita no Congresso; que busque junto ao Ministério das Minas e Energia a manutenção da política de conteúdo nacional da cadeia de óleo e gás; e que dialogue com a presidência da Petrobras para agilizar a retomada das obras do Comperj, como já havia sido anunciado pelo presidente da estatal, Pedro Parente, em reunião com prefeitos do Conleste em janeiro deste ano.
“Para o Rio de Janeiro é muito importante a sua presença na presidência da Câmara sobretudo para buscar a recuperação do nosso estado, que vive uma crise sem precedentes. É uma convergência de crises fiscal, financeira, institucional, moral e política que se agravou nos últimos dois anos. Saímos de uma situação desorganizada para uma situação crítica. De uma situação crítica para dramática e depois caótica. E nesse processo de regressão e involução do quadro não percebemos medidas capazes de promover a retomada do crescimento do Rio. Assim é fundamental o governo federal compreender a importância do Rio de Janeiro no cenário nacional.”
O prefeito alertou as possíveis consequências  da falta de auxílio ao estado.
“O Rio de Janeiro é caixa de ressonância no país.  É a porta de entrada do Brasil, inclusive do ponto de vista da imagem do Brasil no exterior. Se não houver essa conscientização  nós vamos viver uma situação de anomia e convulsão social. Se acontecer no Rio o que ocorreu no Espírito Santo as consequências serão muito piores e vai reverberar no país todo.” , disse.
Sobre o Comperj, Rodrigo Neves reforçou o acordo anunciado pelo presidente da Petrobras, Pedro Parente.
“O Comperj é fundamental para a recuperação do Rio, que produz 80% do petróleo do país e refina menos de 15% dessa produção. São Paulo, que não produz quase nada, refina 40% do petróleo brasileiro. O presidente Parente, numa reunião com os prefeitos do Conleste, disse que iria colocar 26 processos licitatórios agora e investir mais de 2  bilhões de dólares, gerando mais de 10 mil empregos. Mas isso ainda não ocorreu.”, frisou o prefeito.
Por fim, Rodrigo Neves ressaltou a importância de rever o modelo de conteúdo nacional da cadeia produtiva de óleo e gás, que representa 35% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado.
“Não podemos permitir que haja uma redução drástica dessa cadeia para 15% a 20% . Se não tem condições de ser 60% de produção nacional, que sejam pelo menos 50% ou 40%.”, argumentou o prefeito.
Rodrigo Maia afirmou que o encontro foi o primeiro de uma série que buscará soluções para os problemas do estado e dos municípios e que o objetivo é realizá-la mensalmente.
“É importante entendermos que algo que às vezes parece distante tem impacto grande em nossas cidades. As medidas que estamos tomando têm esse propósito: o de garantir o crescimento das cidades e do país. Juntos nós temos condições de construir um novo Rio de Janeiro. Vamos fazer novas reuniões e inclusive convidando o presidente da República para construirmos projetos em conjunto que atendam ao Brasil e ao Rio de Janeiro para, com esses projetos , tirar o nosso estado dessa situação”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline