CIDADE: Niterói ganha mais um ponto de reciclagem e reaproveitamento no Barreto

jeunesse

anuncie

CIDADE – Para estimular cada vez mais o uso e descarte consciente de resíduos e intensificar ações de sustentabilidade para tornar Niterói no estado, a Companhia de Limpeza de Niterói (CLIN) inaugurou, nesta quarta-feira (19/10), o Centro de Oficinas de Reciclagem (COR), na antiga na antiga Escola Estadual Benjamin Constant, no Barreto, Zona Norte da cidade. No local já funcionam, em parceria com a Fundação de Arte de Niterói (FAN) e o Instituto Estadual de Ambiente (Inea), os projetos EcoModa, EcoDesigner e EcoMúsica.

O COR funcionará como uma ponte entre a comunidade e os projetos. Por meio de ações e de oficinas específicas, especialistas realizarão atividades de educação ambiental com a população, mostrando que é possível reaproveitar, reutilizar e ainda gerar renda para centenas de famílias.

Marcando a inauguração do novo centro e de uma sala de palestras, além de um Ecoponto da CLIN, foram realizados desfiles com roupas recicladas, apresentação e realização de oficinas de reaproveitamento. O vice-prefeito Axel Grael participou da cerimônia e destacou que Niterói está trabalhando e buscando se adequar ao que determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

“Este local foi escolhido justamente por já ser sede de outros importantes projetos ambientais, estimulando ainda mais a população sobre a importância do descarte consciente dos resíduos. A junção desses projetos prevê o reaproveitamento, a reconstrução, e a geração de renda através das cooperativas de catadores. É um círculo e uma concepção de futuro sustentável”, afirma o vice-prefeito Axel Grael.

Alunos e professores do curso de Engenharia Logística do SENAI, Engenharia Ambiental da Universidade Federal Fluminense (UFF), e alunos da rede municipal de ensino participaram da abertura do Centro de Reciclagem, que contou também com a presença do secretário municipal de Cultura, Arthur Maia, a coordenadora do Reciclin, a bióloga Silvia Pires, e representantes do Inea.

No evento, também foi anunciado que as oficinas de educação ambiental – que são realizadas desde 2013 nas escolas municipais – serão ampliadas. A ideia é mostrar que os resíduos das residências podem ser transformados em novos alimentos ou matéria-prima para produção de bens utilizáveis.

Durante a inauguração do COR, os funcionários da CLIN e do Instituto Vital Brazil também mostraram que o lixo causa problemas de mau cheiro e atrai animais peçonhentos transmissores de doenças.

Para o presidente da CLIN, Antônio Lourosa, o novo Centro de Oficinas de Reciclagem marca um passo importante de sustentabilidade para a companhia.

“Estamos caminhando com diversos projetos educativos. Temos o CLIN Música, quando aproveitamos materiais que seriam descartados. E vamos seguir em frente, pois é possível mostrar para a população a importância desse reaproveitamento em todos os sentidos”, disse Lourosa.

O secretário Arthur Maia aposta na integração dos projetos para Niterói avançar cada vez mais como cidade sustentável: “É muito importante juntar a arte como forma de promover também a conscientização ambiental para a população”.

Projeto Niterói Ecocultural

Fruto de uma parceria entre a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) e a Prefeitura de Niterói, por meio da Fundação de Arte de Niterói, o Projeto Niterói Ecocultural é destinado à capacitação de estudantes da rede pública e da comunidade em reaproveitamento de resíduos sólidos.

Além do EcoModa, a iniciativa abrange os módulos EcoMúsica – de qualificação em música e percussão com foco na confecção de instrumentos musicais a partir do reaproveitamento de resíduos sólido; e EcoDesign – de reaproveitamento do mobiliário em desuso, através de oficinas de marcenaria, estofamento e design de superfície.

O programa tem o objetivo de alertar à população quanto ao descarte correto do lixo, além de garantir alternativas de renda para as famílias envolvidas, por meio da reciclagem de materiais. A ideia é aliar a questão da educação ambiental com medidas que envolvam o social e a cultura para intermediar o hábito de reaproveitamento de materiais sem uso ou danificados.

0001

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline