RIO 2016: Tenistas brasileiros apostam no fator casa para avançar na Olimpíada

anuncie

anuncie

RIO 2016 – Jogar com a torcida parece ser a palavra de ordem do tênis brasileiro. Os adversários não são desconhecidos e as partidas entre todos em torneios do circuito internacional são frequentes. Para o brasileiro Thomaz Belucci, a receita é jogar com as arquibancadas.

“É importante jogar com a torcida, cativá-la, fazê-la sentir que é importante para mim dentro de quadra. É isso que vou tentar fazer desde o primeiro ponto”, disse Belucci, que enfrentará o alemão Dustin Brown.

“É sempre uma vantagem estar em casa. Vou fazer o possível para jogar com a torcida o tempo inteiro. Para um estrangeiro no Brasil é sempre mais difícil. A torcida sul-americana joga mais junto o tempo inteiro e isso os incomoda”, afirmou Beluccisse na tarde de hoje (4), durante coletiva de imprensa no Rio de Janeiro.

Suíça

Belucci e Brown se enfrentaram semanas atrás no ATP de Gstaad, na Suíça. Na ocasião, derrota para o brasileiro após dois match points – ponto que, se conquistado, dá a vitória na partida – perdidos.

“Estive muito perto da vitória contra o Dustin É um cara imprevisível, que deixa jogar pouco. Sei que ele não vai me deixar confortável. Acho que tenho de jogar sólido, confiante e cometer menos erros possíveis”.

Já Rogério da Silva enfrenta o italiano Thomas Fabbiano. “Acho que será um jogo bom tanto para mim quanto para o Fabbiano. Está sendo muito bom estar aqui e passar para uma segunda fase da Olimpíada seria maravilhoso”, disse o tenista brasileiro.

Duplas

Nas duplas, os brasileiros Bruno Soares e Marcelo Melo enfrentam os irmãos Sanchai e Sonchat Ratiwatana, da Tailândia. Já Belucci e André Sá jogam contra os também irmãos Jamie e Andy Murray, da Grã-Bretanha.

Soares é parceiro de Jamie em torneios da ATP (Associação de Tenistas Profissionais) e já disse que vai fazer o possível para ajudar André, dando dicas sobre seu parceiro britânico. “Já passei o dossiê completo para o André [sobre o Jamie]. Aqui é Brasil até o fml”, concluiu Bruno Soares.

Reportagem: Marcelo Brandão

Edição: Armando Cardoso

anuncie

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline