SAÚDE: A Fundação Municipal de Saúde organizou nesta quinta-feira (28) o 1º Simpósio Municipal sobre Câncer de Boca em Niterói

SAÚDE – A Fundação Municipal de Saúde organizou nesta quinta-feira (28) o 1º Simpósio Municipal sobre Câncer de Boca em Niterói, que reuniu representantes do município, do Estado e do Governo Federal, no auditório do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa (NEPP), no Centro. Atualmente esse é o câncer que está em 5º lugar entre os óbitos de homens e 12º entre as mulheres. Sua incidência está relacionada sobretudo com o tabagismo, mas também com causas como o consumo de álcool, radiação solar e inalação de produtos químicos.

O evento foi organizado pelo Departamento de Supervisão Técnico Metodológica (DESUM) e por Glória Barros, dentista da Clínica Comunitária da Família da Ilha da Conceição, que recentemente apresentou em Conferência de Nova York a ação contra este câncer pelo município. Durante o Simpósio, Glória mostrou alguns trabalhos apresentados nessa conferência que reuniu especialistas de 33 países.

Entre os sintomas do câncer de boca estão lesões que não se cicatrizam, placas vermelhas ou esbranquiçadas, nódulos e febre contínua. Percebendo esses sinais, o profissional de saúde deve encaminhar o paciente para realizar biópsia no Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP) e, confirmada a doença, o município encaminha tratamento no Instituto Nacional do Câncer (INCA) ou no Hospital Universitário Pedro Ernesto.

Discursando sobre o papel do Estado nesta rede, Maria Cristina Demier detalhou ações como planejamentos e planos de combate à doença, cursos de qualificação e aperfeiçoamento aos profissionais e sobre o Reuni, a central unificada de regulação que organiza o tratamento.

A sanitarista Adriana Atty, do INCA, expôs a importância da detecção precoce e o funcionamento da rede, ressaltando que uma alimentação eficiente do sistema de informação é fundamental para a linha de cuidado. Segunda ela, a atenção básica tem papel primordial, por sua capilaridade. Para a operacionalização, é fundamental o retorno de quem está na ponta.

Na parte da tarde, foram realizadas oficinas com dentistas e técnicos em saúde bucal e palestra com Adriana Terezinha, representante do meio acadêmico, por meio da Universidade Federal Fluminense (UFF), que falou sobre o profissional em estomatologia, o dentista especializado em câncer de boca e seu trabalho de identificação da doença através do exame bucal. “Essa oportunidade é de homogeneizar o tratamento, o que beneficia o usuário”, afirmou.

Estiveram presentes no evento Odila Curi, chefe do DESUM; Fernanda Quintão, coordenadora do Médico de Família; Andreia Fulchi, coordenadora da Saúde Bucal; e Lívia Bertasso, do programa de Combate ao Tabagismo.

I Simpósio Câncer na Boca 017

.

I Simpósio Câncer na Boca 019

.

I Simpósio Câncer na Boca 052

Fotos: Fátima Leite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline