Hospital de Niterói treina instituições na cidade em técnicas de reanimação cardíaca e manejo de desfibrilador 

Imaginem uma cena pouco comum: dentro de uma confeitaria padeiros, confeiteiros, garçons e os demais funcionários fazem massagem cardíaca em manequins para treinamento utilizando um desfibrilador externo automático (DEA) para aprenderem, por exemplo, como agir no caso de uma parada cardiorrespiratória de um freguês do estabelecimento. Esse foi o cenário do treinamento que o Complexo Hospitalar de Niterói (CHN) realizou sobre Suporte Básico de Vida (BLS) e uso de DEA, no dia 30 de outubro, na Confeitaria Beira Mar, em Icaraí, Niterói, no Rio de Janeiro.

O treinamento faz parte da campanha social “CHN mais vida – nosso coração bate mais seguro em Niterói”, implantada pelo CHN desde 2018 e que foi inspirada no modelo de Seattle, nos Estados Unidos – a cidade está entre as mais seguras do mundo, com o melhor resultado no atendimento de parada cardiorrespiratória que ocorre fora de hospital. O objetivo é treinar funcionários de várias instituições, públicas e privadas, gratuitamente, em locais com grande circulação de pessoas – como clubes, academias, shoppings, padarias, terminais rodoviários e de barcas –, em técnicas de Suporte Básico à Vida (BLS sigla em inglês). O curso também inclui treinamento em ações de reanimação em casos de parada cardíaca com manejo de desfibrilador e como agir em casos de engasgos de crianças e adultos. Além disso, o hospital instala o DEA e se responsabiliza por sua manutenção.

Desde o início dessa ação social, o CHN já capacitou mais de 600 guardas municipais e está treinando, atualmente, os policiais militares da cidade – mais de 200 já passaram pela capacitação. O Clube Naval Charitas, em Niterói; o complexo esportivo Tio Sam, em Camboinhas; e a XFUSION Academia, em Icaraí, também já receberam o treinamento e tiveram seus equipamentos instalados.

Segundo o coordenador do projeto “CHN mais vida – nosso coração bate mais seguro em Niterói”, o cardiologista dr. Rafael Vilanova: “Mais que instalar os equipamentos, nossa equipe treina in loco todos os colaboradores desses locais para o manejo do DEA, assim, eles vão poder, por exemplo, reconhecer uma parada cardiorrespiratória e realizar todos os procedimentos para a tentativa de salvamento até a chegada do socorro especializado.”. O cardiologista também reforça a importância de acionar os serviços de emergência, como o Corpo de Bombeiros e/ou o SAMU.

A diretora-geral do CHN, dra. Ilza Boeira Fellows, também enfatizou o papel do projeto. “Como instituição de saúde, é nosso compromisso zelar pela segurança, bem-estar e qualidade de vida dos niteroienses e dos moradores do entorno. Queremos criar uma legião de pessoas que possam salvar vidas”, enfatizou a diretora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *