Alojamento é interditado no Caio Martins

De acordo com a DPCA Niterói (Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente de Niterói) foi aberta uma investigação para apurar denúncias sobre as condições físicas do alojamento das categorias de base do Botafogo, no Estádio Caio Martins, em Icaraí, Zona Sul de Niterói.

Equipes da Unidade realizaram diligências no local, na manhã desta quarta-feira (13), e constataram rachaduras na parede e fiação elétrica inadequada. A unidade interditou o alojamento para realização de perícia de engenharia. Responsáveis pelo clube serão ouvidos. Diligências estão em andamento.

Botafogo divulgou nota sobre o caso

“O Botafogo possui, incluído em seu documento orientador de futebol de base, uma metodologia que prioriza a formação dos seus atletas junto à família. Acreditamos que os jovens, que já abrem mão de momentos importantes de suas vidas em busca do sonho de se tornar um jogador de futebol, necessitam permanecer o maior tempo possível em suas residências no amparo de seus familiares.

Portanto, as acomodações de alojamento somente são utilizadas em casos especiais de atletas de fora do estado ou em vulnerabilidade social. Para atender essas eventualidades, hoje o clube possui um alojamento de pequeno porte com capacidade para até 16 atletas em General Severiano, além de instalações em Caio Martins utilizadas pontualmente pelas categorias menores, nos quais os jovens permanecem sob a supervisão de inspetores e são acompanhados de perto por uma assistente social.

Informamos que a Sede de General Severiano apresenta toda a estrutura e documentação necessária para o seu funcionamento como alojamento principal do clube. Para o alojamento do Estádio de Caio Martins, o Botafogo está envidando todos os esforços para atualizar a documentação. Por essa razão, os poucos jovens lá alojados foram transferidos para General Severiano até a normalização.

Com a aquisição do terreno para o novo Centro de Treinamento, que se encontra em fase inicial de obras, o Botafogo avançará na questão estrutural, mas seguirá a metodologia já implementada para as suas categorias de base.”

Foto: Divulgação / Polícia Civil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *