Orientação psicossocial é oferecida gratuitamente em Niterói

Cariocas ganham, neste sábado (04/11), um grupo de apoio não-terapêutico sobre saúde mental. O I Encontro do Coletivo Virgínia Bicudo, roda de conversa entre pacientes e profissionais das áreas de saúde (psicologia e assistência social), neuropedagogia e terapias alternativas acontece para falar sobre transtornos mentais, tema que ainda é tabu. A iniciativa está agendada para às 10h, no Centro Cultural Paschoal Carlos Magno (CCPCM), dentro do Campo de São Bento, em Niterói.
Além dos moradores de Niterói, colaboradores de São Gonçalo, Maricá, Friburgo, Petrópolis já confirmaram presença. Para democratizar ainda mais o bate-papo, haverá transmissão via YouTube, com a participação da colaboradora de Lisboa, capital portuguesa.
Se por um lado a medicina moderna, no caso a psiquiatria e psicologia, são fundamentais para dar condições ao indivíduo controlar crises e acompanhar os diversos sintomas, por outro, atividades complementares são facilitadoras na recuperação de pacientes.
Ansiedade generalizada, síndrome do pânico e depressão têm sido comuns nos consultórios, o que moveu o Coletivo a levar para um espaço público, de grande conhecimento da população de Niterói e um dos principais pontos turísticos-culturais da cidade a proposta de repensar o conceito de saúde, bem-estar e autoconhecimento.
O encontro não é para falar de doença, mas de saúde.
– É um convite para conversar e discutir sobre a importância de resistir a uma normalização do sofrimento. Nas reuniões será possível afirmar os saberes que se encontram no processo de cada um – ressaltou a psicóloga do Coletivo, Fernanda Menezes.
Terapias autorizadas pelo Ministério da Saúde
A portaria (nº 849/2017) do Ministério da Saúde, publicada no Diário Oficial da União em 28 de março, autorizou 14 procedimentos à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PICs) para serem oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), entre eles: homeopatia, medicina tradicional chinesa/acupuntura, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, termalismo social/crenoterapia, arteterapia, ayurveda, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa e ioga.
Assim, para além do objetivo principal do Coletivo Virgínia Bicudo que é debater, refletir, dialogar, fortalecer através de experiências e acolher pacientes em tratamento, seus familiares, amigos e demais interessados no tema, também é oferecer serviços, oficinas, palestras de forma gratuitas nas atividades aprovadas pelo Ministério da Saúde.

 

Virgínia Leone Bicudo
O nome de Virgínia Leone Bicudo foi escolhido por se tratar da primeira psicanalista brasileira, psicóloga e socióloga negra que entrou para a Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP) em 1945 e em 1962, eleita presidente da segunda diretoria do Instituto de Psicanálise, função que desempenhou até 1975.
Eu me interessei muito cedo por esse lado social. Não foi por acaso que procurei psicanálise e sociologia. Veja bem o que fiz: eu fui buscar defesas científicas para o íntimo, o psíquico, para conciliar a pessoa de dentro com a de fora. Fui procurar na sociologia a explicação para questões de status social. E, na psicanálise, proteção para a expectativa de rejeição. Essa é a história – Virgínia, em uma entrevista de 1998.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *